O golpe foi contra a população mais pobre e irá piorar com o aprofundamento da Reforma Trabalhista

O IBGE divulgou a Síntese de Indicadores Sociais 2018 que apresenta dados mais detalhados do aprofundamento da pobreza no País (https://bit.ly/2QfWG6K). Um resumo:

– A pobreza aumentou e já atinge 54,8 milhões de pessoas em 2017;

– 15,2 milhões de pessoas estão em situação de extrema pobreza;

– O Nordeste concentra o maior percentual daqueles em situação de pobreza (44,8%);

– As mulheres negras que criam sozinhas seus filhos são o grupo mais vulnerável, seus núcleos familiares têm menos acesso à educação, à proteção social, à moradia adequada, aos serviços de saneamento básico e à internet;

– Houve aumento da proporção de crianças e adolescentes abaixo da linha de pobreza;

– Metade da população de Norte e Nordeste vive com até meio salário mínimo;

– 75,2% das pessoas negras ou pardas possuem os 10% menores rendimentos;

– Mais de um terço (35,9%) da população não tem acesso ao serviço de esgoto;

– Brancos ganham 72,5% mais que negros ou pardos;

– Homens recebem 29,7% a mais que as mulheres;

Nosso País ainda vive a miséria de maneira aguda, enquanto isenta de impostos os mais ricos – isenções que superam o próprio déficit nas contas públicas – e toca suas políticas de segurança pública como meio de controle social às custas das vidas de jovens negros das periferias.

 

A falta de investimentos em serviços públicos e políticas urbanas, graças ao contingenciamento de recursos, representará um quadro catastrófico para o futuro que precisa de atenção o quanto antes. Reverter a atual política fiscal, trabalhista e orçamentária, a fim de não prejudicar ainda mais os mais vulneráveis, precisa ser a nossa missão!