Protesto pela educação reúne cerca de 20 mil pessoas em Belém

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas nesta quarta-feira (15) protestar contra o contingenciamento de verbas para a educação. Os atos ocorram em mais de 170 cidades do país.

Quase 20 mil pessoas participaram do protesto em Belém, segundo a Polícia Militar. Já o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará, Sintepp, diz que 40 mil pessoas estiveram presentes no ato.

A manifestação de quarta-feira está entre as maiores que ocorreram no Brasil nos últimos anos. O principal motivo dos protestos foi o bloqueio de recursos que o Ministério da Educação impôs às universidades.

Após o anuncio do governo federal do bloqueio de quase 25% da verba, as instituições de nível superior no Pará mostraram preocupação. Entre elas está o Instituto Federal do Pará, que afirmou só ter condições de se manter até o mês de setembro deste ano.

O tema ainda gerou duas polêmicas para o governo federal. Na primeira delas, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, teve que comparecer de forma obrigatório no plenário da Câmara para explicar os contingenciamentos a deputados.

Em outro caso, aliados de Bolsonaro afirmaram que ele havia recuado nos contingenciamentos. Porém, representantes do governo foram a público e desmentiram a informação do fim dos bloqueios.

Parlamentares da oposição criticaram a postura do governo. O senador Paulo Rocha, do PT do Pará, participou dos atos e disse esperar que, após a pressão popular, o governo volte atrás na posição de bloquear recursos na área educacional.